08 de Junho de 2013

 

“Monsanto has become the centre stage for the destruction of our seeds, our diversity, our food, our freedom.” Vandana Shiva

“It is time to see technology as a tool, and not an end that defines a new fundamentalist religion through which corporations become the new gods.” Vandana Shiva

 

A Monsanto é uma corporação multinacional sedeada nos Estados Unidos. Inicialmente vocacionada para a indústria química, veio mais recentemente a concentrar a sua actividade nas áreas da biotecnologia e agricultura, sendo o líder mundial da comercialização de sementes transgénicas (milho, soja e algodão) e de herbicidas como o glifosato (marca comercial: Roundup).

http://en.wikipedia.org/wiki/Monsanto

http://pt.wikipedia.org/wiki/Monsanto_(empresa)

 

A história da Monsanto tem sido marcada simultaneamente por lucros recorde e por verdadeiros crimes contra a humanidade e o ambiente, tendo sido acusada e condenada por fazer publicidade enganosa e por ocultar ou forjar provas científicas (ver artigo da Wikipedia/EN e os documentários listados no final). Entre a lista de produtos comercializados pela empresa com efeitos nefastos comprovados, alguns deles objecto de processos judiciais ou alvo de proibição, contam-se o DDT, o Agente Laranja (a formulação da Monsanto continha níveis de dioxinas que causaram danos de saúde irreversíveis ou mortais, quer nas populações do Vietnam quer nos militares americanos), os PCBs, a somatotropina bovina recombinante (rBST/rBGH; marca comercial: Posilac), o aspartame, e mais recentemente as sementes transgénicas e o herbicida glifosato. Esta realidade contrasta de forma chocante com os objectivos e slogans divulgados pela própria empresa que se apresenta como uma companhia de agricultura sustentável (EUA: “Growth for a better world”; Brasil: “Há 50 anos plantando o futuro”).

http://www.agrisustentavel.com/trans/crisanto.htm

http://bestmeal.info/monsanto/company-history.shtml

http://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2012/01/31/monsanto-worst-company-of-2011.aspx

 

Durante a sua metamorfose para se tornar o actual gigante do agronegócio, a Monsanto não só levou a cabo uma agressiva política de aquisições e fusões em diversos países (ver artigos da Wikipedia/EN e BR), como ainda desencadeou várias campanhas de lobbying ao mais alto nível governamental, tanto nos Estados Unidos como noutras regiões do mundo, incluindo a União Europeia. Nos Estados Unidos a promiscuidade entre a empresa e organismos governamentais está bem documentada, existindo uma lista extensa de individualidades que circularam entre a administração americana ou órgãos de supervisão (FDA, USDA) e a Monsanto.

http://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2012/07/31/monsanto-powerful-influence.aspx?e_cid=20120731_DNL_artNew_1

http://freedom-articles.toolsforfreedom.com/monsanto-influence-us-government/

 

 

O seu ascendente sobre a classe política culminou com a recente aprovação pelo presidente Obama de uma lei que impede as autoridades federais de actuar contra eventuais situações de risco para a saúde na plantação e comercialização de culturas transgénicas, que ficou conhecida por “Monsanto Protection Act”.

http://www.huffingtonpost.com/michele-simon/monsanto-protection-act_b_3327270.html?utm_hp_ref=tw

http://www.democracynow.org/2013/4/2/the_monsanto_protection_act_a_debate

http://www.esquerda.net/artigo/governo-dos-eua-ajuda-monsanto-vender-transg%C3%A9nicos/27960

 

A multinacional foi alvo dum protesto internacional no passado dia 25 de Maio (Marcha contra a Monsanto):

http://www.march-against-monsanto.com/

http://occupy-monsanto.com/march-against-monsanto-may-25-2013/

http://www.esquerda.net/artigo/mais-de-50-pa%C3%ADses-aderiram-%C3%A0-%E2%80%9Cmarcha-contra-monsanto%E2%80%9D/28007

O protesto em Lisboa terá mobilizado pouco mais de uma ou duas centenas de pessoas, mas não houve qualquer cobertura mediática e o protesto foi (quase) invisível. O tema não parece preocupar a opinião pública nem interessar muito aos media, e não faz parte da agenda política.

http://sustentabilidadenaoepalavraeaccao.blogspot.pt/2013/05/marcha-contra-monsanto-25-de-maio-pelo.html

http://sustentabilidadenaoepalavraeaccao.blogspot.pt/2013/05/marcha-contra-monsanto-e-transgenicos.html

http://www.pan.com.pt/component/content/article/477-monsanto-um-colosso-com-calcanhares-de-aquiles.html

Felizmente o impacto internacional foi razoável e os organizadores falam em 2 milhões de participantes em todo o mundo:

http://www.euronews.com/2013/05/26/day-of-worldwide-protests-in-march-against-monsanto/

http://rt.com/news/monsanto-gmo-protests-world-721/

http://www.globalresearch.ca/genetic-engineering-two-million-people-in-52-countries-march-against-monsanto/5336392

http://www.ibtimes.com/march-against-monsanto-draws-many-2-million-globally-facebook-twitter-once-again-show-social-medias#

http://www.countercurrents.org/cc290513.htm

O bloqueio nos media convencionais também aconteceu noutros países: http://www.countercurrents.org/gatto290513.htm

 

As práticas persecutórias e intimidatórias da Monsanto incluem numerosas acções judiciais contra pequenos e médios agricultores (documentadas no artigo da Wikipedia/EN e nos vídeos listados no final). O carácter sociopata da empresa é particularmente evidente na guerra feroz que tem vindo a travar pelo patenteamento de sementes com vista ao controlo do mercado global de alimentos, pondo em causa a soberania alimentar de milhões de pessoas e justificando as acusações de bioterrorismo e de atentados contra a biodiversidade e a vida que foram lançadas sobre a Monsanto e outras multinacionais agrícolas.

http://www.countercurrents.org/mickeyz290513.htm

http://www.vanityfair.com/politics/features/2008/05/monsanto200805

 

A tentativa de usurpação dos recursos naturais e de outros bens comuns da humanidade por parte de grandes corporações não é uma mera teoria de conspiração mas uma dura realidade que transparece em numerosas análises e estudos e que nos devia preocupar a todos. Sugiro por exemplo a leitura do relatório “Who owns nature?” (De quem é a natureza?) publicado em 2008 pelo ETC Group, uma organização da sociedade civil sedeada no Canadá e dedicada às questões da sustentabilidade socioeconómica e ecológica: http://www.etcgroup.org/content/who-owns-nature (também disponível em espanhol: http://www.etcgroup.org/es/content/%C2%BFde-qui%C3%A9n-es-la-naturaleza). Sugiro ainda um recente artigo da pensadora e activista indiana Vandana Shiva com o título sugestivo ‘Move Over, God, The Biotech Companies Are Here’: http://www.countercurrents.org/shiva290513.htm

 

Para saberem mais sobre a história tenebrosa desta empresa podem ler o livro “O mundo segundo a Monsanto”, ou ver o documentário homónimo (ver link abaixo), da jornalista francesa Marie-Monique Robin, ou ler os vários artigos listados em: http://www.avaaz.org/en/stop_monsanto_sources/

 

Existem vários sites que oferecem sugestões sobre acções a nível individual e colectivo para resistir ao poder hegemónico desta empresa:

http://www.organicconsumers.org/monsanto/action.cfm

http://www.seedsoffreedom.info/take-action/what-can-i-do/

http://www.march-against-monsanto.com/2013/04/why-do-we-march.html

 

Sugiro também que divulguem este post e partilhem os vídeos listados abaixo. Podem ainda assinar a petição da AVAAZ:

http://www.avaaz.org/po/monsanto_vs_mother_earth_loc/?bJlHGab&v=23938

 

 

 

 

 

 


Documentários e vídeos sobre a Monsanto e a soberania alimentar:

- The world according to Monsanto (2008), Marie-Monique Robin (ARTE França):

http://www.youtube.com/watch?v=JFXkTaf4xKs&list=PL3BE7259931186D0F (leg PT)

http://en.wikipedia.org/wiki/The_World_According_to_Monsanto

- Percy Schmeiser, David vs. Monsanto (2009), Bertram Verhaag:

http://youtu.be/omtYlsG1P5U

http://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2012/11/03/david-versus-monsanto.aspx

http://en.wikipedia.org/wiki/Percy_Schmeiser

- Seeds of Freedom (2012), Gaia Foundation: http://www.seedsoffreedom.info/

http://www.seedsoffreedom.info/watch-the-film/watch-the-film-portuguese/

- Mensagem de Vandana Shiva sobre a ‘Marcha contra a Monsanto’ (Maio 2013):

http://youtu.be/dfUMHhrQamw

- TEDx talk sobre o sistema industrial de produção de alimentos, B. Baehr (2010):

http://www.ted.com/talks/birke_baehr_what_s_wrong_with_our_food_system.html

A empresa é ainda mencionada nos documentários ‘Food Inc’ (ver http://transicao_ou_disrupcao.blogs.sapo.pt/13065.html) e nos filmes/livros de Jeffrey M. Smith ‘Genetic roulette’ e ‘Seeds of deception’ (http://seedsofdeception.com/).

publicado por AFonseca às 15:52

Anónimo:
Olá Álvaro,

é só para dizer o quanto de mérito tem o que aqui escreves e denuncias. Que continues, que é muito necessário.

Grata!

30 de Junho de 2013 às 05:00

Jorge Leandro Rosa:
Caro Álvaro,
Mais uma vez, uma intervenção da maior pertinência, bem fundada e serena. Curiosamente, alguém colocou este seu «post» numa página política do nosso «suave» país. Aí, um participante lembrou-se de falar do aspartame, o que é legítimo, evidentemente, mas nada mais do seu riquíssimo texto foi comentado. Eis o que aí escrevi: «Talvez o aspartame tenha o mérito duvidoso de redimir uma empresa que é objecto do protesto, a nível mundial, de mais de dois milhões de pessoas. E talvez dê uma ajuda à somatotropina bovina recombinante. Sem ironia: a Monsanto não é alvo de protesto apenas por causa de produtos avulsos. Ela é-o porque põe em prática uma concepção política, económica e, por que não dizê-lo, militarizada da biotecnologia. Portugal é um país «doce» para a Monsanto. Verifique-se a escala dos protestos de sábado na Argentina, apesar da propaganda (e da curiosa dependência) do governo Kirchner: a monocultura da soja transgénica (não é só a Monsanto, mas esta tem um papel decisivo) alterou para sempre a vida nos campos, a própria sobrevivência dos camponeses e está a destruir as variedades autóctones.»
25 de Maio de 2015 às 11:03

mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

4 seguidores
Apoiem esta iniciativa:
Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


pesquisar
 
arquivos
2019:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2018:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2017:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2016:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2015:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2014:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2013:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2012:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2011:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2010:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


blogs SAPO